Ir para o conteúdo principal
Artigos

É hora de redefinir a experiência do empregado (EX) para incluir a experiência humana no trabalho

Por Adam Zuckerman e Stephen Young | Outubro 7, 2022

As expectativas mudaram – os empregados querem prosperar dentro e fora do trabalho – e estão procurando empresas que apoiem essa nova realidade. Sua definição de EX evoluiu com o tempo?
N/A
N/A

As mudanças no local de trabalho durante a COVID-19 alteraram para sempre as perspectivas de profissionais e empresas. Um reconhecimento mais universal da conexão entre nossa vida pessoal e profissional tomou forma, simbolizado pelo fenômeno “Zoom” e outras ferramentas de reuniões virtuais da era da pandemia, presentes nas salas de estar de nossos colegas, vendo seus animais de estimação, seus filhos, suas roupas casuais e seus esforços para equilibrar tudo. Da noite para o dia nos tornamos seres humanos plenos no trabalho. Agora, quer os empregados continuem remotamente, façam a transição para o trabalho híbrido ou voltem ao escritório em tempo integral, suas expectativas mudaram. Os funcionários querem prosperar em suas vidas profissionais e pessoais, onde quer que seu trabalho ocorra, e estão procurando empresas que apoiem essa nova realidade.

O que uma nova definição de experiência do empregado significa para as empresas?

Para as empresas, isso significa que quando pensamos na experiência do empregado, devemos considerar de forma mais ampla sobre a experiência humana das pessoas, indo além de elementos tradicionais como o relacionamento gestor/funcionário, visão dos líderes, oportunidades de avanço ou conexão com colegas. Esta nova era do trabalho exige um foco mais amplo que apoie a saúde mental e física dos empregados, o bem-estar financeiro e até mesmo as relações familiares.

Cuidar de um pai idoso, lutar contra uma doença mental ou se esforçar para pagar a faculdade: estritamente falando, nada disso faz parte da experiência do empregado. Mas todos eles fazem parte da experiência humana que impacta esses profissionais. Eles existem na interseção da vida e do trabalho e, por esse motivo, as empresas inteligentes reconhecem como podem apoiar os funcionários nesses desafios.

Tomemos como exemplo o cuidado de um pai idoso. Esse é um desafio comum entre os profissionais em meio de carreira. Há muitas coisas que as empresas podem fazer por seus funcionários para ajudá-los a cuidar de seus pais além dos programas formais, como oferecer horários flexíveis ou até mesmo ajustar as expectativas, durante o que geralmente é um período limitado. Isso não é apenas uma coisa boa de se fazer, mas também tem um imperativo de desempenho. Ser capaz de prosperar e ter o melhor desempenho no trabalho é um impacto não apenas em sua experiência no trabalho, mas também em sua experiência fora dele.

Uma pesquisa recente da WTW ajuda a ilustrar esse ponto. O estudo de 2022 com quase 10.000 empregados mostrou que o estresse financeiro de viver com o “dinheiro contado” está associado não apenas ao aumento dos sentimentos de solidão e ansiedade, mas também à perda de produtividade. Além disso, os empregados que avaliam os programas de benefícios de suas empresas de forma mais favorável são mais produtivos e engajados.

A chave para apoiar uma definição mais ampla de experiência do empregado começa com a escuta

Assim como o conceito tradicional de experiência do empregado, a chave para entender e apoiar uma definição mais ampla de EX começa com a escuta. Infelizmente, a maioria das pesquisas com funcionários hoje se concentra inteiramente em tópicos tradicionais do local de trabalho, como engajamento, liderança e eficácia do gerente, ou pesquisas de ciclo de vida se concentram em marcos tradicionais do local de trabalho, como integração, promoção e saída. Quando você considera uma nova definição de EX, que inclui a experiência humana no trabalho, é necessário um espectro muito mais amplo de escuta dos funcionários. A maneira como os ouvimos, reunindo suas opiniões e perspectivas, também precisa mudar. As pesquisas com empregados precisam ser dinâmicas para também avaliar como eles se sentem em relação à preparação para a aposentadoria, como estão gerenciando a vida com um recém-nascido ou com que facilidade estão navegando no sistema de saúde para encontrar o especialista certo. Eles precisam entender melhor o que sua organização pode fazer para ajudar.

Estendendo ainda mais essa lógica, você pode fazer a conexão de que todas as atividades da empresa têm um componente de experiência do empregado que deve ser entendido e priorizado. Para ser uma “empresa escolhida” no futuro, as organizações não podem apenas oferecer recompensas competitivas, oportunidades de desenvolvimento e uma cultura empresarial saudável. Elas também precisarão fornecer uma experiência consistentemente positiva aos funcionários. Não se trata mais de atrair e reter funcionários, mas sim de criar uma experiência positiva de adesão, desenvolvimento e permanência.

Líderes de sucesso apoiarão toda a experiência humana dentro e fora do trabalho

Líderes bem-sucedidos entenderão isso e devem maximizar o fator de experiência do empregado em tudo o que fazem. Essa valorização e apoio a toda a experiência humana não apenas melhorará a vida de seus colaboradores dentro e fora do trabalho, mas também aumentará seu comprometimento organizacional e desempenho empresarial.

Autores

Product Leader
Engage
E-mail

Senior Director - Talent Management & Organizational Development
E-mail

Contato no Brasil

Diretora de consultoria em Employee Experience da WTW
E-mail

Related content tags, list of links Artigos
Contact Us